Sobre Nós

Estamos preparados para assessorá-lo em todo o processo de investimento de maneira abrangente, identificando o seu perfil, ajudando a definir objetivos, traçando estratégias e trabalhando com experiência, conhecimento e informação para identificar oportunidades e tomar boas decisões.

Leia Mais

São Paulo: Rua Princesa Isabel, 94 - Conjunto 32

contato@grupotaiga.com.br

Investimentos: (11) 3090-3983
Seguros: (11) 5542-9226

Agora é a vez dos Fundos de Investimento em Renda Fixa - Crédito Privado

Eu sei... O nome é quase igual ao do Fundo DI sobre o qual falamos no post anterior. Tão parecido que  a tentação é grande em simplesmente comparar a performance dos dois e “escolher o que rende mais”.

Mas este “Crédito Privado” ou “CP que está escrito no nome do fundo muda muita coisa. E essa coisa tem nome: Risco! Falamos que os fundos DI precisam obrigatoriamente investir grande parte do patrimônio em Títulos do Tesouro Nacional ou em ativos de baixo risco. Os Fundos de Crédito Privado, por outro lado, podem escolher ativos mais arriscados. Quais são eles?

-       - CDBs e outros títulos emitidos por bancos. O Fundo pode emprestar dinheiro para instituições bancárias. Existem bancos muito sólidos (e que pagam taxas mais baixas) e bancos menos sólidos (que pagam taxas mais atrativas). Se você comprar este CDB como pessoa física, terá cobertura do FGC até R$250.000,00. Mas Fundos de Investimento não têm esta cobertura.

-       - Debentures: Falando de forma bem simplista, isso quer dizer que o Fundo pode emprestar dinheiro para empresas não financeiras. Você deve ter visto nos jornais as notícias sobre a recuperação judicial da Oi. Pois bem.. Se um Fundo comprou debentures da Oi, ele  provavelmente não vai ter o seu dinheiro de volta e com isso os cotistas terão uma rentabilidade negativa. Este é o lado ruim... Mas por outro lado, se você gosta de trabalhar com crédito privado esses fundos fazem uma boa diversificação.  Raramente algum fundo deste tipo coloca mais de 5% do seu patrimônio em uma única empresa. Assim, se acontecer algum evento negativo, o tombo será pequeno. Neste ano, especificamente, nós estamos vendo outro tipo de evento: Muitas empresas estão com uma capacidade menor de honrar com as suas dívidas e estão tendo “downgrade” em seus Ratings. Provavelmente grande parte destas empresas vão honrar com os seus compromissos ou vão rolar esta dívida. Mas no momento a confiança é menor. Isso faz com que as debêntures percam valor.  E essa perda de valor aparece na rentabilidade do Fundo. Pode até ser que essa marcação para baixo seja corrigida no futuro. Mas se você resgatar o dinheiro antes disso você só participará da baixa. Veja um exemplo desta marcação:

- FIDCs:  Basicamente o Fundo está comprando um título que tem como lastro operações de crédito pessoal e empresarial – financiamento bancário, crédito consignado, financiamento de veículos, desconto de duplicatas etc. São os títulos de renda fixa mais arriscados, e que por isso, pagam uma taxa melhor. Quanto mais FIDCs esses fundos tiverem, mais arriscados eles serão.

O que esperar dele?

Espere que ele tenha uma rentabilidade superior ao CDI e que você consiga resgatá-lo em dia útil.

Quais as vantagens

Você confia no seu gestor? Acredita que ele faz uma boa análise de crédito dos produtos que compra? Então ele renderá mais do que os fundos DI e você só perderá um dia de liquidez.

E se você tem interesse em uma estratégia de comprar títulos de crédito privado para buscar mais rentabilidade, este fundo trará uma diversificação de forma que você dificilmente conseguiria fazer sozinho.

Quais os riscos?

O risco está nos papéis que o fundo comprar. Quanto maior o risco, maior será a rentabilidade. Mas o tombo poderá ser maior se o Gestor escolher empresas mais arriscadas e elas não honrarem com suas dívidas. A boa notícia é que normalmente os gestores não colocam todos os ovos em uma só cesta. Embora você não perceba quando investe neste fundo, provavelmente estará investindo em mais de 50 empresas diferentes. É raro ver um Fundo deste tipo perder mais de 1% em um mês. Mas 1% já pode comprometer a performance dele de 1 ou 2 anos.

Onde pode estar a pegadinha?

Novamente nós vamos falar sobre a taxa de administração. Este tipo de Fundo requer uma gestão mais atenta do que a dos Fundos DI. Afinal, é necessária uma vasta análise de crédito das empresas que farão parte do seu portfólio. Mas mesmo assim não cabe cobrar mais do que 0,8% de taxa de administração.

Se ele cobrar mais do que isso dificilmente ele terá uma performance boa em relação ao risco da sua carteira.

O que eu posso considerar no lugar deste tipo de Fundo?

- Ficou com medo desses títulos que o fundo compra? Acha que perder 1% do que investiu no fundo é muito para o seu estômago? Acredito que um fundo DI pode ser mais adequado para você.

- Gostou da estratégia? Quer mais performance em renda fixa? Teremos várias alternativas: Fundos Ativos, de Inflação, “High Yield”, de Debêntures Incentivadas....

 

Ricardo Maia Mulder van de Graaf